Floresta Subterrânea

Localizada embaixo da placa tectônica onde está assentada a bacia hidrográfica do Rio Guahyba a Floresta Subterrânea está nascendo junto com a maior cadeia de montanhas do atual Planeta Terra. Chama-se Dorsal Mesoatlântica essa cadeia. As florestas da Nova Terra são: florestas de cristais, floresta das crianças douradas, floresta de sal, floresta subterrânea. É a partir do Rio Guaíba que a Floresta Subterrânea nasce.

Ela é composta por formações vegetais andróginas e nômades.

Vácuo

O método científico admite a existência do vácuo. E eu também! O vácuo seria a ausência de matéria. No campo da semântica, o vácuo foi associado ao nada. Nisso, não posso concordar. O nada é erroneamente associado a falta de matéria. Discordo! Por que? Porque o som não se propaga no nada. Mas,se propaga no vácuo. O vácuo é o limite mínimo para haver um universo. Mas, o nada não!!! Nenhum universo surge do nada. Mas, todos surgem do vácuo; que é na realidade, a quantidade mínima de matéria. É de onde todo universo ficcional deriva.

Gravidade Invertida

As dimensões do espaço-tempo são diferenciadas conforme a exponencial que conseguem agregar à sua energia de coesão dimensional.

Ora, se moramos em um orbe onde a força de gravidade se manifesta sempre elevada ao quadrado, podemos supor que existem dimensões do espaço-tempo onde a gravidade se comporta elevada ao cubo ou na potência de zero. Essa é uma especulação interessante; visto que qualquer número tridimensional elevado a zero é igual a um. Como seria então uma dimensão espaço-tempo onde a força da gravidade está elevada a potência zero?

Eu penso que não há dimensão espaço-tempo que tenha essa gravidade elevada a zero. Na minha opinião o único ponto do Multiverso onde a gravidade pode ser igual a um é em núcleos magnéticos como é o núcleo do Planeta Terra. Chamo esse lugar de ponto de gravidade invertida.

Qual a diferença entre gravidade zero e gravidade invertida?

Portal do Pontal da Ponta Grossa:

O Portal do Pontal da Ponta Grossa, na zona sul da cidade estava morrendo. Os biguás que pousavam no Rio, em maio tridimensional, já chegam desconectados e adoecidos. A desestabilização quântica também adoecia as algas do Guaíba e os moradores humanos da cidade de superfície. A floresta subterrânea trabalhava em regime de urgência e Lilôu era uma dessas trabalhadoras bem dedicadas. Ela fazia parte da casta das Coletadoras de Minguante e Semeadoras de Crescente. Seu trabalho era coletar plasma de floresta que era usado para apaziguar o tumulto no éter. A casta das Semeadoras é a mais numerosa da floresta subterrânea. Lilôu usava o Portal do Pontal da Ponta Grossa para chegar até as árvores. Seu trabalho era intenso principalmente nas três primeiras noites de Lua Minguante. Lilôu era uma boa Coletadora. Mas, ainda era uma aprendiza de Semeadura. Sendo assim, ela não tinha ainda a liberdade de ir através do Portal da Ponta Grossa até as Cachoeiras de São Francisco de Paula. Era nesse local onde uma a cada seis novas espécies de vida na rede de Gaia do Planeta Terra estava surgindo.

Júpiter e Hélio

Júpiter sempre foi a estrela companheira do Hélio, mas na quinta dimensão do tempo. Hélio solariza um conjunto de planetas do Multiverso onde hoje uma das humanidades se manifesta. Parece especulação, mas não é! A vida baseada em cadeias de carbono tetravalente é um sexto da totalidade. Lidas em excesso, dentro das unidades de espirais da vida, as cadeiras de carbono dão a materializar apenas dois dos três braços do DNA. Existem seis vórtices florestais no mundo Terra de onde hoje derivam todas as novas espécies de vida da nova Aracnis1. Humanos que escutam a música das Esferas são parte desta orquestração sideral.

Hoolows

São a primeira fase do um Hollow. Hoolws são gosmentos. São as criaturas responsáveis por tumultuar o éter a ponto de desconectar o campo de Sensar de até 10.000 seres humanos. Um Hoolow tem que desconectar um milhão de seres humanos para poder se candidatar a Hollow. Após a Batalha do Mar de Penhascos, a surdez em relação à Música das Esferas tornou o trabalho dos Hoolows, na terceira dimensão do tempo, mais veloz. Isso porque o excesso de carbono, no que então começou a ser considerado padrão de vida no Planeta Terra atrapalha a audição da Música das Esferas que ecoa nas Florestas de todos os Mundos.

A Sacerdotisa das Árvores

Meu professor de ficção científica, Eduardo Falcão, o Duda Falcão (pros mais, mais…tipo eu assim!) me perguntou quem era a Sacerdotisa das Árvores, entre outros paranauês. Daí,pensei na respostas…ele também pediu um novo Sistema Solar… tudo bem,adoro desafios,mas calma, tá, profê? Deus demorou uns dias pra fazer a Terra e tals…tirou férias porque cansou…ahahaha…Quando você, meu futuro leitor do livro A Sacerdotisa das Árvores tiver dúvidas, pergunta pro profê Duda. Ou então, leia os livros dele; tipo Comboio dos treze. Tá? Não seja esnobe! Nenhum umanus vai sobreviver aos próximos 500 anos tridimensionais, se não começar AGORAa ler Literatura Fantástica! Humrum!! “Quando eu começo, Lari?”… ué? Respirou nesse mundo pela primeira vez? Pode começar a escutar Lya Luft ou então a ser embalado pelas poesias do Luiz Coronel! Crédo! O Brasil é gaúcho. E isso não é uma questão de regionalismo, mas de estirpe literária! ahahahahaah

Bem, cansei de pagar mico! Vou agora responder a pergunta do profê Duda: Lari, quem é a Sacerdotisa das Árvores?

A Sacerdotisa das Árvores mora em um Mar de Florestas de todos os mundos. Ela também está na terceira dimensão do tempo. Viver na linha do tempo passado-presente-futuro não é a forma harmônica nas Teias da Vida. É uma forma de sobreviver. Acredite! Mas, achar que a terceira dimensão do tempo é o TEMPO faz você morrer. Então, A Sacerdotisa das Árvores é um conjunto de histórias que eu criei. Eu acredito que esse livro será capaz de mudar o olhar de qualquer ser humano que o ler sobre a seguinte realidade da vida: Uma ÁRVORE!

A Sacerdotisa das Árvores surgiu quando eu me matriculei no Curso Livre de Escrita Criativa da Metamorfose Cursos, profê Dr. Marcelo Spalding. Eu simplesmente montei um Universo Ficcional com 67 personagens que eu enxergava com muita lucidez. Abandonei a escrita criativa, acho que mais ou menos um ano tridimensional após minha matrícula no curso…e adoeci!

A Sacerdotisa das Árvores é um livro que vai ajudar uma criança brasileira a construir uma engenhoca chamada de EIDOFONE. Isso é uma espécie de trânsistor da energia eletromagnética de uma árvore em ondas musicais. Não seremos, no Brasil, os pioneiros nessa empreitada mundial. Mas, temos um lugar na Orquestra da Música das Esferas.

Mulheres do mundo Terra inteiro estão tecendo uma rede de ecologia profunda, baseado na conexão musical que pode ser estabelecida com uma árvore de floresta. Mulheres de todos os gêneros!

Mulheres do rock, do pop, da poesia, que tocam violoncelo ou fazem bons cup cakes de banana caramelada.

Mulheres que se depilam ou que gostam de ser peludas.

Mulheres de todos os gêneros mesmo!

Na minha opinião, a teoria do Big Bang está errada pelo simples motivo que um barulho não provoca a vida. Mas, a música provoca! Somos parte de uma sinfonia universal e temos a nossa disposição a Música de Júpiter, a Música de Saturno e de Netuno. Urano não? Infelizmente, ainda não!

Enfim… essa história segue…

Agora, eu vou voltar pro meu desenho que é tema da aula de ficção científica do curso de Literatura Fantástica do Profê Duda Falcão na Escola de Escritores de Porto Alegre ( Metamorfose Cursos, haahahah): “crie um sistema solar começando pelo esboço simples de um mapa”… sofri….ahahahaha…”descreva como são os mundos desse sistema solar…”…desmaiei…hahahaha….eu sei responder isso! ahahahah

O violinista triste

Na terceira nota musical após a amoreira preta, ficava a zona de influência eletromagnética do Violonista Triste. Ele, elemental de extrema confiança, era por parte da Sacerdotisa das Árvores, o primeiro a ser ouvido, quando ela precisava decidir quando agir. Nas noites de lua minguante, o violinista triste purgava a dor das formas de vida florestais que purgavam a saudade de ouvir as árvores cantarem. O silêncio nas florestas e o tumulto no Éter eram as consequências nocivas da derrota na Batalha do Mar de Penhascos que mais preocupavam as Sacerdotais. Umanus sempre são uma condição passageira da verdadeira Humanidade e todos tem na surdez um desafio a ser superado coletiva(mente).

Eidofone: é um aparelho capaz de transmutar as ondas eletromagnéticas em ondas sonoras.

A partir da deliberação unânime do Conselho das Sacerdotais, os projetos de engenharia quântica para a construção de um Eidofone já estavam disponíveis aos humanos nos registros do Livro do Navio. Na Noruega, em 1934, existiu uma corajosíssima inventora que teve a audácia de construir um protótipo de um Eidofone. Naquela época, o governo norueguês se viu obrigado a rever todas as políticas ambientais para a construção de cidades; visto que o povo encantado com a música das Esferas que ressonava na floresta começou a pressionar o governo por mudanças!

Estamos em 2020, no Brasil. O Livro do Navio está navegando pelo Mar de Florestas verde-amarelas. Brasileir@s que cantam junt@s agora estão fortalecendo as florestas de todos os mundos. A criança humana, nascida de umanus, que vai construir o Eidofone no Brasil já está na terceira dimensão do tempo.

Senhor Lótus da Dança

Os olhos dele são suaves

Mas sua voz atira fogo quando diz:

“Na Natureza e na humana natureza, tudo é som e cor,

Precisa haver luz

Para que as novas cores

Possam ser vistas à noite”.

O som

O poder do silêncio,

A música das Esferas,

Senhor Lótus da Dança,

Shiva Nataraja e seus cantores

Que aos poucos a mim se apresentam.

LariXXa, sonho lúcido depois que falei com o Vitor.

Crie um novo site no WordPress.com
Comece agora